17/01
Dakar 2016. A ressaca feliz de Ivan Cervantes

Iván Cervantes cumpriu um dos seus sonhos: terminar com sucesso o seu primeiro Rally Dakar. E ele não só conseguiu o feito, como também ficou entre os 20 primeiros pilotos na categoria moto. Apesar dos momentos difíceis que ele viveu ao longo da competição, em que houve falhas, cansaço, calor intenso e alguns choques, ele disse que se esqueceu de tudo quando cruzou a linha de chegada. Viver no limite de suas condições por 2 semanas é uma experiência incrível e muito mais exigente do que ele pensava quando iniciou a prova com sua fiel companheira, a moto. Ele tem o intuito de fazer o próximo Dakar com melhores aptidões para navegar e andar mais rápido. Ele está satisfeito por superar este desafio e por alcançar a linha de chegada. E que venha 2017!

 

16/01
De La Rioja até San Juan e a Villa Carlos Paz. O final está próximo.

A energia e a força física e mental, com as quais os participantes do Dakar iniciaram a competição, agora estão distantes. O esgotamento dos últimos dias está tendo um impacto sobre os nossos pilotos, que ao menos agora têm a esperança de alcançar a linha de chegada. Após a intensa décima etapa, nesta décima primeira teremos grandes dificuldades em toda a prova. A 712 km, com 431 km de sessão especial, nossos pilotos estão ofegantes e com os equipamentos perto de pifarem. Os pilotos mais experientes correm mais rápido pelas montanhas e vales de San Juan, até Villa Carlos Paz, durante a 12 ª etapa de 931km, o que se tornou a mais longa do Dakar 2016, com metade dos quilômetros da sessão especial. Em meio às montanhas de altitude e faixas estreitas, devido à vegetação, nossos pilotos foram muito exigidos a demonstrar suas habilidades para evitar qualquer tipo de erro, tão próximos do final do Dakar, que promete ser muito emocionante.

 

14/01
Entre Dunas de areia

Parecia que alívio finalmente chegaria, depois que nossos pilotos cruzassem as dunas de areia de Fiambalá; porém, durante a décima fase, eles precisaram percorrer uma grande quantidade de km de dunas. Os especialistas em deserto têm vantagens sobre os pilotos inexperientes, que também tem de enfrentar mais dificuldades, juntamente com o calor intenso e uma grande lista de outros obstáculos que encontrarão assim que chegarem em Rosário. Uma competição de demonstração de extrema resistência, tanto para os nossos pilotos e seus veículos.

 

13/01
De Belén até Belén. Mais navegação.

Com os nervos à flor da pele, nossos pilotos continuam a competição, etapa por etapa, contando os dias para o fim do Dakar. Nas Dunas, eles sofrem muito. O corpo está muito cansado devido ao calor e ao esgotamento físico e mental, e as motos são conscientes disso. Na 9 ª etapa, as motos e os quadricículos disputam uma verdadeira maratona. Uma sessão de 285km cronometrados, atravessando as dunas e desafiando a concentração e a resistência dos nossos pilotos durante um dia difícil na navegação. No entanto, este não é o fim; amanhã o caminho para o “inferno” continua.

 

12/01
Dakar 2016. Segunda parte.

Durante o restante do último domingo, nossa pilotos descansaram suas mentes para enfrentar a segunda parte da rota, que, segundo especialistas, “será o mais difícil, o inferno”. Durante a 8 ª etapa, os pilotos enfrentarão uma súbita mudança de terreno do Dakar 2016. A mudanças adicionada este ano nesta etapa da corrida poderá complicar a vida dos pilotos em equilíbrio e coloca em risco a confiança deles. A partir de Salta até Belén, ao longo de 766 km, com 393 km de fase especial, as motos começaram a corrida com um atraso de 40 minutos, alterando o curso da prova.

 

09/01
O último esforço antes de um descanso bem merecido

A sexta fase foi a mais longa desta 38ª edição do Rally Dakar, com 542km. A pista estava próxima do Salar de Uyuni, em uma altitude incrível, entre 3.500m e 4.200m de altura. O cansaço está causando impacto sobre a concentração dos participantes, especialmente nessas fases que são tão difíceis. E vamos voltar de novo para a Argentina. A 7ª etapa chega em Salta, onde a primeira semana da corrida será o fim. Esforços são necessários, antes do meu descanso de domingo: fluxos de água para atravessar perto da fronteira com a Bolívia.

 

08/01
E vamos para o quinto!

Este é o 5º dia do Dakar, a segunda parte da maratona. A partir de Jujuy para Uyuni, a entrada na Bolívia implica uma mudança de altitude, com alto risco para o estado físico e mental dos nossos pilotos, como dores de cabeça, que podem ser uma influência negativa no desempenho. O ponto máximo da etapa vai atingir 4600m de altitude, a mais alta da história do Dakar na fase especial do dia. Após a primeira fase da maratona, comemorado ontem, uma grande tempestade começou em Jujuy, o que atrapalhou Ivan Cervantes, que, no entanto, manteve a calma para não ter problemas de mecânicos. Esperamos que tudo continue no caminho certo, apesar de difícil.

 

07/01
Partindo de Termas de Río Hondo para Jujuy. Mais duas etapas.

Durante o terceiro dia do Dakar, os pilotos da categoria de motos iniciaram a prova em terra seca. Contudo, no meio do caminho, ela foi reduzida para 200km, devido às condições meteorológicas. Com trilhas de montanhas para serem cruzadas para completar a etapa especial, os participantes tiveram de manter um nível elevado de concentração para evitar qualquer tipo de erro. Uma vez em Jujuy, a 4 ª etapa foi o primeiro teste real. Com uma média de 3500m de altitude e alternando entre terrenos, a primeira parte da maratona deste ano foi novamente um novo desafio para nossos pilotos, sem assistência durante mais de 750km em zonas fechadas. A emoção continua.

 

05/01
Tomando decisões sobre a terra

O Rally Dakar está ficando interessante. Após a primeira tapa cancelada, a corrida de fato começou ontem entre Villa Carlos Paz e Termas Del Río Hondo. Foi extremamente complicado para muitos dos participantes. Especialmente para as motos, que tinham problemas com a lama por causa das chuvas que caíram no dia anterior; esta se transformou numa armadilha, que não pôde ser evitada. A resistência do motociclista faz a diferença nessas horas; baseado sobre o domínio do veículo e sobre a capacidade de entender corretamente a via, o que exige uma tomada de decisões no local, decisivas para completar cada etapa com bravura e inteligência.

 

04/01
Riscos e incertezas pairam sobre o Dakar 2016. Primeira fase, cancelada!

143 motos, 46 quadricículos, 110 carros e 55 caminhões. Ao todo são 354 veículos que participam da competição e foram ontem para a linha de partida do Rally Dakar 2016, sob chuva torrencial em Córdoba. O mau tempo causou o cancelamento da primeira etapa oficial, entre Rosario e Villa Carlos Paz.  Por razões de segurança, de acordo com o diretor Marc Coma, “o mínimo de condições para uma condução segura não foram cumpridas”. Depois do infeliz acidente durante o prólogo do último sábado, o risco deve ser minimizado e a organização não pode deixar pontas soltas. Para o show de hoje, espera-se que a chuva continue complicando a corrida. Temos de esperar para ver se a meteorologia está ao lado dos motociclistas e lhes permitam continuar com esta aventura de prazer e de risco, onde os motociclistas dão tudo por ela em cada quilômetro.

 

03/01
Firme. Pronto. Dakar 2016.

O primeiro Rally Dakar projetado por Marc Coma começa hoje na Argentina e é o primeiro de treze etapas, após o prólogo, comemorado ontem. Ele foi o vencedor em 2015 e, após várias vitórias nesta difícil competição, Coma aceitou o desafio como uma oportunidade “para devolver ao Rally Dakar todas as coisas que aprendi com ele, para deixar a minha marca”. A dificuldade de cada etapa será crescente e o piloto que ganhar será o mais completo. E para saber de tudo, temos que esperar até o próximo 16 de janeiro, quando esta nova e difícil aventura acabará na cidade de Rosário. Entretanto, vamos aproveitar os 9.000 km passo a passo e acompanhar o que Marc Coma tem preparado para nós. E para nossos pilotos, que estão prontos para enfrentar o grande desafio de suas vidas com coragem e entusiasmo.