Nova Kawasaki chega ao Brasil com motor de 40 cv, bom acabamento, além de autonomia e conforto para viajar
 
 
Primeiro modelo aventureiro do segmento de compactas premium, a Kawasaki Versys X-300 foi apresentada no Salão de Motos de Milão 2016, na Itália, e logo virou assunto nas redes sociais. Afinal, a Versys de 300cc é uma opção para quem busca uma moto versátil, leve e capaz de percorrer todo tipo de terreno. Agora que a moto desembarcou no Brasil, tivemos a oportunidade de conhecê-la de perto para saber se vale os R$ 26.990 pedidos pelo fabricante pela versão Tourer ABS, que já vem com protetor de mão, de motor, faróis auxiliares e malas laterais, ou seja, pronta para uma aventura. Já a versão de entrada custa R$ 22.990.
 
Ainda cedo, o sol brilhava forte na Praia do Jabaquara, em Paraty (litoral sul do Rio de Janeiro), local da apresentação da moto para a imprensa brasileira. A luz refletia na pintura verde da Versys X-300 fazendo a moto parecer ainda maior, graças também aos acessórios de série. De perto, ela realmente não parece ser “uma trezentinha”, mas sim uma 650 cc.
 
Apesar disso, ela se mostra amigável, mesmo para pessoas mais baixas (como eu), e convida para um passeio. Pesando 175 kg e com o assento a 845 mm do solo, é possível apoiar os pés no chão com naturalidade e manobrá-la com facilidade. Ao sentar na moto, os comandos ficam ao alcance das mãos e o motor liga de primeira: emitindo um ronco grave e compassado, que instiga a rodar.
 
O painel é um dos pontos fortes. De fácil leitura, mostra a temperatura externa, média de consumo e tem um prático relógio, além de velocímetro digital, conta-giros analógico e luzes de advertência. Para ampliar sua autonomia, existe o aviso luminoso “ECO”, para informar se o motociclista está pilotando de forma econômica. Oficialmente, o fabricante declara consumo de 24,4 km/litro, o que projeta uma autonomia superior a 400 km, graças ao tanque de 17 litros.
 
 

 
Na estrada
A Versys X-300 usa o mesmo motor da pequena esportiva Ninja 300 e da naked Z 300. Segundo os engenheiros da Kawasaki, foram feitos acertos no bicilíndrico, de 296 cm³, DOHC e refrigeração líquida, para aumentar sua potência em um cavalo.
 
Mas para desfrutar dos 40 cavalos (potência declarada) é preciso acelerar até os 11.500 rpm, enquanto o torque máximo de 2,6 kgf.m chega somente a 10.000 giros. Ou seja, é um motor que exige rotação para oferecer seu melhor desempenho. Para adequá-lo à proposta aventureira da moto, a Versys 300 ganhou uma transmissão final “mais curta”.
 
Como era de se esperar, na prática, é preciso usar bastante o câmbio de seis marchar para tirar o melhor desempenho da Versys 300. O conta-giros sobe rapidamente até atingir a faixa de corte nas 11.500 rotações, enquanto a moto acelera com vontade. Na estrada, enquanto o velocímetro marcava 100 km/h, o bicilíndrico girava a 7.000 rpm.
 
Infelizmente, não foi possível verificar a velocidade máxima da Versys X-300, mas ela chegou facilmente aos 125 km/h no curto trecho de estrada que permitia uma aceleração mais empolgada.
 
 

 
Na areia
Aproveitamos o belo cenário de Paraty (RJ) para rodar na areia, onde o câmbio foi bastante exigido. Era preciso acelerar com vontade e “queimar” embreagem para o motor não morrer, um indício de que há pouco torque em baixos giros. O mesmo deve acontecer em estradas com muita areia e também na lama. Não podemos dizer que se trata de um defeito, mas sim uma característica desse propulsor que gosta de girar alto.
 
A Versys 300 se mostrou confortável e prática para uma aventureira. A versão avaliada oferece faróis auxiliares ligados por um botão no painel, tomada 12 Volts; protetor de motor, cavalete central e os pequenos alforjes laterais – moldados em plástico. Se a ideia for fazer viagens mais longas, será preciso investir em um top case. A boa notícia é que o suporte para a instalação do acessório vem de série no modelo.
 
Os freios – a disco nas duas rodas – são equipados com sistema ABS. Funcionam sem sustos e deram conta de parar a moto de forma progressiva. Mesmo quando entra em ação, o ABS é praticamente imperceptível, tanto no manete quanto no pedal. Os discos em formato margarida (290 mm de diâmetro, na frente, e 220 mm, atrás) ainda ajudam a valorizar o visual dessa compacta aventureira.
 
O conjunto de rodas raiadas em alumínio é outro destaque da nova Kawasaki. As rodas de 19 polegadas, na dianteira, e 17’’, na traseira, são calçadas com pneus com câmara Pirelli MT 60, que reforçam seu estilo aventureiro, e ainda mantêm boa tração em terrenos com pouca aderência.
 
A crítica fica para o reduzido curso do conjunto de suspensões. Na frente, o garfo telescópico convencional (sem ajustes) tem apenas 130 mm de curso; e o monoamortecedor traseiro, com ajuste apenas na pré-carga da mola, tem 148 mm de curso. Tais especificações devem limitar o uso mais radical em estradas de terra com muitos buracos.
 
 

 
Mercado
No Brasil, haverá três versões da Versys X-300: a standard sem ABS, que será vendida por R$ 22.990, nas cores laranja e cinza; a versão com ABS, que custará R$ 24.990, somente na cor verde; além da Tourer ABS, avaliada, que tem preço sugerido de R$ 26.990, e estará disponível nas cores verde e cinza. O fabricante também oferece generosos descontos e brindes para quem adquirir qualquer uma das versões da Versys X-300 até o final do ano.
 
Mesmo com os descontos, o preço pode ser um entrave para o sucesso da Versys 300 no Brasil. Seu valor ficou bem próximo de modelos com maior capacidade cúbica, como a Honda CB 500X, tabelada a R$ 25.900, e que oferece um pouco mais de desempenho e conforto para viagens. Por outro lado, a crossover da Honda usa rodas de liga-leve (aro 17 em ambas) e não tem a “pegada off-road”, os acessórios e o apelo aventureiro da pequena Kawasaki.
 
 
TEXTO: Cícero Lima / Agência INFOMOTO
FOTOS: Divulgação / Marcos M. Carmona